Kanazawa: dicas do que fazer numa das cidades mais charmosas do Japão

Kanazawa: construções antigas encantam os turistas (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

Motivos não faltam para conhecer Kanazawa. Conhecida pelo charme tradicional, a capital da província de Ishikawa conserva muitas estruturas antigas pois, assim como Kyoto, foi poupada dos bombardeios da Segunda Guerra Mundial. Além disso, é uma referência para quem ama arquitetura contemporânea e é conhecida pelo frescor de seus frutos do mar. A 300 quilômetros de Tóquio, Kanazawa não decepciona nenhum visitante.

Na minha visita de dois dias, consegui conhecer com calma praticamente todos os pontos mais turísticos e ainda tive tempo de me perder sem rumo pelas ruelas encantadoras da cidade. 

Aqui vão meus destaques:

Higashi Chaya Machi

Acho que é uma das áreas mais charmosas de Kanazawa. ” Chaya”, literalmente “casa de chá”, era onde as gueixas costumavam se apresentar durante o período Edo. Ainda hoje é possível assistir a uma performance dessas figuras icônicas da cultura japonesa na tradicional casa Kaikaro, que promove eventos em inglês voltados a turistas. 

Ruelinha do distrito de casas de chá Higashi Chaya Machi, em Kanazawa (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

Eu fiquei satisfeita só de passear pelas ruelas e parar em algum lugar para tomar um matchá acompanhado de wagashi, doce japonês que pode ser preparado com ingredientes diversos, que variam, geralmente, de acordo com a estação. Essa dupla é oferecida por várias casas da região e custa em torno de 750 ienes.

Matchá e wagashi: duplinha perfeita (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

Outra atração do distrito é a loja Hakuza Gold Leaf Store, que vende vários tipos de artigos cobertos com folha de ouro, chamadas de kinpaku. Mais de 90% da produção das finíssimas folhas que decoram bandejas, tecidos e outros artesanatos japoneses é feita em Kanazawa. Dentro da loja, há uma sala de chá recoberta inteiramente por ouro – a cara da riqueza. Quem se interessar pelo assunto, pode dar um pulo no Kanazawa Gold Leaf Museum, que fica ali pertinho, e assistir a esse vídeo incrível da série Great Big Story.

Vai aí um bolinho com cobertura de ouro? (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

As casas dessa área fecham no fim da tarde, entre 17h e 18h.

Kazuemachi

Outro distrito de antigas casas de chá, menos conhecido e menos turístico que Higashi Chaya Machi – mas nem por isso menos charmoso. Passeei por aqui à noite, quando a iluminação das fachadas das casas se mesclavam à iluminação do rio Asano, criando um visual de outra era. 

A melhor supresa da noite: descobrir as casinhas tradicionais de Kazuemachi, às margens do rio Asano, em Kanazawa (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

Não se prenda só à via principal, às margens do rio. As ruelas internas, paralelas ao rio, formam um labirinto de casinhas que hoje são restaurantes, bares, cafés e galerias.

21st Century Museum

Obras de artistas como Anish Kapoor, Olafur Eliasson e James Turrell (que AMO desde que fui para Naoshima) podem ser apreciadas neste museu projetado pelo prestigiado escritório japonês SANAA. Ganhadores do Prêmio Pritzker 2010, os arquitetos Kazuyo Sejima e Ryue Nishizawa desenharam uma construção em formato circular, sem frente ou fundo, podendo ser explorada por todas as direções.

Mesmo num ambiente sem obras de arte propriamente ditas, o 21st Century Museum é pura poesia visual (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

Uma das maiores atrações do museu é a piscina falsa do artista argentino Leandro Erlich, que adora brincar com ilusões.

Swimming Pool, a intrigante obra do artista argentino Leandro Erlich (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

Quando fui, além da piscina e das obras externas, pude ver um trabalho do coletivo Chim↑Pom e de outros artistas japoneses contemporâneos.

 D.T. Suzuki Museum

Pertinho do 21st Century Museum fica este museu que não é muito explorado – o que é uma pena! Construído em homenagem ao filósofo zen Suzuki Daisetsu Kan, conhecido no exterior como D.T. Suzuki, sua arquitetura abraça a missão de transmitir valores da filosofia zen aos visitantes. Passar algum tempo no espaço contemplativo, apreciando o espelho d’água, é um convite à meditação.

D.T. Suzuki Museum: um espaço zen que vale demais a visita (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

Castelo de Kanazawa

O castelo que pertencia ao clã Maeda, um dos mais poderosos do Japão no Período Edo, passou por diversos incêndios e processos de reconstrução. O castelo é cercado por um parque, que dá acesso a um belo jardim: o Gyokuseninmaru Garden.

Dando vista para o castelo, tem um espaço de repouso com café que achei bem lindo.

Lindo espaço de repouso e de contemplação (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

Kenrokuen – jardim japonês

Considerado um dos jardins japoneses mais belos, o Kenrokuen é certamente um lugar que você deve conhecer na cidade. Antigamente, era o jardim do Castelo de Kanazawa e é por isso que um fica de frente para o outro. 

Jardim Kenrokuen: passeio obrigatório por Kanazawa (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

Na rua que dá acesso a Katsurazaka Gate, uma das entradas do jardim, há muitas opções de restaurantes e lojas em construções de madeira que são puro charme.

Essas casas de madeira são irresistíveis! (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

Omicho Market

Para quem curte um mercadão, esse é o lugar. O Omicho Market é um mercado bem antigo de comida frescas e tem mais de 200 estandes. É bastante movimentado pela manhã e também na hora do almoço, quando os visitantes formam filas para comer um peixe fresquinho nos restaurantes do mercado.

Omicho Market: mercadão de peixes e de outros alimentos frescos em Kanazawa (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

Cool Kanazawa

Nem só de tradição e arquitetura contemporânea que vive Kanazawa. Ali também rola uma cena super cool de criadores, cervejarias, arte e lojinhas bacanas. Um exemplo é o hostel Hatchi, que sempre promove eventos com artistas, como workshops e exposições.

Hatchi: hostel descolado em Kanazawa (foto: The Share Hotels)

Perto de onde eu me hospedei, que era na área do Hatchi, tinha também essa cervejaria, a Oriental Brewing. Depois de passar um dia me esbaldando com os frutos do mar locais, sentei nesse lugar para tomar uma cerveja e comer uma pizza. Não me arrependi!

Marguerita + IPA da Oriental Brewing: mais uma dupla perfeita (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)
Image result for oriental brewing kanazawa
Oriental Brewing: cerveja artesasal em Kanazawa (foto: divulgação)

Informações práticas

Como chegar em Kanazawa saindo de Tóquio?

Tem um shinkansen (trem-bala) que sai de Tokyo Station e chega em Kanazawa Station em 2.5 horas. É bom lembrar que os vagões desse trem são todos de “reserved seats”, então, se você estiver com o JR Pass, é necessário emitir os bilhetes com antecedência. Se estiver na dúvida, dá uma lida neste post em que eu dou todas as dicas sobre o passe da JR

Para consultar os horários do trem, dá uma olhada no site Hyperdia.

Onde ficar em Kanazawa?

Diferente de outras cidades no Japão, não recomendo se hospedar perto da principal estação de trens. Kanazawa Station, apesar de linda, não fica tão próxima das principais atrações da cidade

O famoso torii (portal) que demarca uma das entrada da cidade: a estação de Kanazawa (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

É bom pesquisar acomodações que ficam ali perto do Castelo, do Kenrokuen ou do 21st Century Museum. No final das contas, é possível fazer toda essa região a pé – então escolhendo uma dessas referências já está ótimo.

Eu fiquei hospedada na guesthouse Hakuka: simples, barata e limpíssima, com um café da manhã gostoso e honesto. Fica num bairrinho super residencial, a poucos minutos a pé de Higashi Chaya Machi – adorei.

Omotenashi: a cortesia dos japoneses que se reflete num chá quentinho que te espera no quarto, no momento do check-in (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)
Ruazinha do bairro da guesthouse Hakuka, em Kanazawa (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

Mas pode ser que você prefira um pouco mais de agito… Nesse caso, o Hatchi é bacana, mas só tem um quarto privativo. E tem também o Kumu, da mesma rede do Hatchi, que fica numa avenida bem movimentada, pertinho do Kenrokuen. 

Quantas noites ficar em Kanazawa?

É bom ter um dia inteiro para explorar os principais pontos da cidade, então é recomendável dormir pelo menos uma noite. Eu fiquei duas e achei que foi ótimo. Foi tempo suficiente de conhecer alguns cantinhos, de tomar um banho de sento (e de ter uma experiência muito parecida com a de Yanaka, quando, totalmente despida, me senti uma intrusa no meio de um círculo de senhorinhas rs), de contemplar as cores do céu de Kanazawa e de ter um momento muito especial com a cidade

Kanazawa se tornou uma das minhas cidades preferidas no Japão – a ponto de até cogitar morar lá por um tempo.

Kanazawa, ainda volto para te rever <3 (foto: Piti Koshimura / Peach no Japão)

Se você está planejando sua viagem pelo Japão e quer mais dicas de experiências, cidades e orientações práticas, dá uma olhada no meu serviço de consultoria de viagem 😉

Compartilhe:

Comentários

comments

Filed under Fora de Tóquio, Viajar pelo Japão

Produtora de conteúdo interessada em cultura e artes, juntei meu fascínio pelo país de origem dos meus avós com a minha paixão por compartilhar histórias para criar o Peach no Japão. Aqui vocês encontrarão devaneios sobre cultura japonesa, histórias de viagem e dicas que não estão nos guias ;)

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *